EuLutoContraADepressao


Eutimia

É possível que não esteja a sentir-se bem e não saiba se precisa de tratamento. Para confirmar se precisa de tratamento, faça o teste aqui. Se tiver um familiar que possa estar a sofrer de depressão, preencha o teste aqui.
Se o teste sugerir que poderá beneficiar de ajuda, recomendamos que contacte o seu médico assistente – médico de família ou de clínica geral – e que peça uma avaliação mais aprofundada. O seu médico assistente pode concluir que não apresenta os critérios para diagnóstico de depressão ou, então, pode confirmar o diagnóstico de depressão ou de outra doença.
Se o seu médico lhe receitar medicação, certifique-se de que compreende integralmente as suas indicações. Tal como acontece com outras medicações, é importante seguir cuidadosamente as indicações do médico para que obtenha os melhores resultados possíveis do tratamento.

Encontrará informações detalhadas sobre a medicação antidepressiva mais à frente nesta seção.
Embora seja habitualmente o médico de clínica geral a tratar a depressão do doente, por vezes o médico pode aconselhar o doente a procurar outros especialistas.

  • O seu médico de clínica geral pode não se sentir confortável a diagnosticar ou a tratar problemas de saúde mental por considerar que não são a sua especialidade. Nesse caso, poderá ser aconselhado(a) a consultar um psiquiatra.
  • Se o seu médico não tiver a certeza de que medicação deve receitar, pode aconselhá-lo(a) a procurar um psiquiatra.
  • Do mesmo modo, se sentir que o seu médico não tem conhecimentos suficientes na área da saúde mental – porque o manifesta ou porque responde nesse sentido às suas questões diretas sobre o seu problema –, pode pedir-lhe que o encaminhe para um profissional de saúde mental, que inicialmente deve ser um psiquiatra.
  • Se já sofre de uma perturbação depressiva diagnosticada e está a tomar, ou não, medicação receitada pelo seu médico, pode ser aconselhado(a) a procurar um psicólogo para receber uma intervenção psicológica – uma psicoterapia – ou ser apoiado num processo de autoajuda.
  • Se já sofre de uma perturbação depressiva diagnosticada e está a tomar, ou não, medicação receitada pelo seu médico, pode ser aconselhado(a) a integrar um grupo de psicoeducação dirigido pelo enfermeiro de família.
  • Se sofrer de depressão grave ou muito e precisar de um tratamento mais especializado e se correr o risco imediato de se magoar a si próprio(a) ou a outros, pode ser internado(a) para receber cuidados de saúde mental orientados por um psiquiatra.

Se não se sentir em condições de marcar uma consulta com o seu médico de família ou de clínica geral, um familiar pode conversar com o seu médico e sobre qual será a melhor opção de tratamento.