EuLutoContraADepressao


Eutimia

Apesar de comuns, existem vários tipos de depressão que podem tomar diferentes rumos. Os sinais e sintomas variam em número, momento de aparecimento, gravidade e persistência, mas em geral são bastante semelhantes. Dado que os diferentes subtipos de depressão podem requerer tratamentos diferentes, o seu médico poderá querer identificar qual o tipo específico que o está a afetar. Existem também diferenças na forma como os indivíduos experienciam a depressão e exprimem os sintomas, dependendo da idade, género e cultura.

Classicamente, têm sido utilizados muitos nomes para descrever as várias formas de depressão: depressão neurótica, reativa ou minor são designações clínicas comuns frequentemente associadas a uma natureza psicológica e passíveis de tratamento principalmente através de psicoterapia. Por outro lado, as depressões ditas endógenas e psicóticas são associadas a desequilíbrios químicos e são tomadas como as que deveriam ser tratadas com medicamentos.

Estes termos – depressão neurótica, endógena, reativa, psicótica, minor – ainda são principalmente utilizados pelos profissionais de saúde mental, mas tem-se descoberto que quer a psicoterapia quer a medicação são uteis nos vários tipos de depressão e que não faz sentido distinguir entre causas biológicas e psicológicas pois ambas estão sempre presentes na origem do processo patológico depressivo.

Subtipos de depressão_1

A investigação tem vindo a demonstrar que a depressão é uma perturbação do humor, ou perturbação afetiva, que ocorre em fases. Isto significa que existem períodos de humor normal que alternam com episódios depressivos. Por vezes, em vez de uma fase depressiva, podem ocorrer fases de euforia (humor excessivamente feliz), irritabilidade e agitação, denominadas mania ou hipomania (quando é menos intenso). Assim, pode dizer-se que se está na presença de depressão unipolar quando não existem fases de mania ou hipomania na história clínica, e depressão bipolar quando fases deste tipo tenham ocorrido no passado.

Episódio Depressivo

A forma mais comum e típica de depressão é o episódio depressivo. Um episódio depressivo simples ocorre ao longo de semanas a anos, manifestando-se através de uma combinação de sintomas, mas sempre com uma duração superior a duas semanas. Os episódios depressivos simples são descritos como unipolares. Aproximadamente um terço das pessoas afetadas experimentam apenas um episódio, ou “fase”, ao longo da sua vida. Dois terços, ou mais das pessoas, experimentam dois ou mais episódios. Efetivamente, se o doente não receber tratamento adequado para a depressão, existe um grande risco de, no futuro, poderem ocorrer episódios depressivos recorrentes.

Os episódios de depressão são sempre incapacitantes, em maior ou menor grau.

Subtipos de depressão_2

Perturbação Depressiva Recorrente ou Depressão Major

Quando um episódio depressivo se repete, falamos de perturbação depressiva recorrente ou perturbação depressiva major. Esta inicia-se habitualmente durante a adolescência ou no início da idade adulta. Cerca de 50% das depressões major têm início até aos 26 anos de idade. Os indivíduos com este tipo de depressão recorrente experienciarão fases depressivas, que podem durar meses ou anos, intercaladas por fases de humor normal. Este tipo de perturbação depressiva é extremamente incapacitante e tem uma natureza unipolar (o que significa que não há episódios de mania ou hipomania). Pode também designar-se por depressão “clássica” ou “clínica”.

Subtipos de depressão_3

Distimia

A distimia é caracterizada por sintomas mais ligeiros e menos evidentes em comparação com um episódio depressivo ou depressão recorrente. Porém, a perturbação é persistente e os sintomas prolongam-se durante muito mais tempo, pelo menos dois anos, por vezes décadas, razão pela qual esta perturbação também é chamada “depressão crónica”. A perturbação é unipolar e afeta o funcionamento, mas é menos incapacitante. As pessoas que sofrem deste tipo de depressão podem, por vezes, piorar, desenvolvendo um episódio de depressão major; apresentar ambos os diagnósticos resultam no que se chama “depressão dupla”.

Subtipos de depressão_4

Depressão Bipolar tipo I

Este tipo de depressão ocorre na perturbação bipolar, a qual anteriormente era conhecida por doença maníaco-depressiva, e é menos comum que a depressão unipolar. Esta doença envolve uma alternância entre fases depressivas, fases de humor normal e as chamadas “fases maníacas”. As fases maníacas são caracterizadas por um humor eufórico excessivo, associado a hiperatividade, inquietação e necessidade reduzida de dormir.

A mania afeta o raciocínio, o julgamento e os comportamentos sociais, causando graves problemas e dificuldades. Práticas sexuais indiscriminadas e de risco ou decisões financeiras ou de negócio pouco ponderadas podem ser a expressão de uma fase maníaca em curso na vida de um indivíduo. A mania deve ser tratada em internamento.

Após um episódio de mania, as pessoas afetadas frequentemente desenvolvem uma depressão.

A expressão que melhor descreve este “turbilhão emocional” é a alternância entre “o topo do mundo e o fundo do poço”.

Os sintomas das fases depressivas na perturbação bipolar são difíceis de distinguir dos sintomas da depressão unipolar.

Subtipos de depressão_5

Depressão Bipolar tipo II ou do Espectro Bipolar

Mais parecida com uma perturbação depressiva recorrente do que com uma perturbação bipolar, as pessoas afetadas por uma depressão bipolar de tipo II ou do espectro bipolar parecem apresentar, à primeira vista, apenas fases de humor triste. Trata-se de uma síndrome que faz com que a pessoa afetada apresente episódios depressivos repetitivos, pontuados pelo que se chama de hipomania, um estado de euforia moderada muito mais ligeiro que a mania, o qual a própria pessoa e a família podem confundir com um humor normal ou alegria.

Episódio Misto de Ansiedade e Depressão

Apesar de a ansiedade e os sintomas psicológicos e somáticos que a acompanham serem características comuns da depressão, e de os sintomas depressivos estarem frequentemente presentes nas perturbações de ansiedade, em geral é fácil diagnosticar se a depressão é o principal problema. Em todo o caso, no misto de ansiedade e depressão, existe uma combinação equilibrada entre os sintomas de ansiedade e de depressão.

Episódio Depressivo Psicótico

A depressão psicótica ou delirante é uma forma particular de episódio depressivo. A psicose envolve a visão ou a audição de coisas irreais (alucinações) e/ou o desenvolvimento de ideias ou crenças falsas (delírios). As pessoas afetadas podem desenvolver crenças falsas como o excesso de culpa (delírio de culpa), a ruína financeira (delírio de pobreza) ou uma doença grave e incurável (delírio hipocondríaco), apesar de todas as evidências em contrário. As pessoas com depressão delirante precisam, quase sempre, de internamento numa unidade psiquiátrica. Os episódios psicóticos podem ser de natureza unipolar ou bipolar.

Depressão Atípica

Este tipo de depressão é caracterizado por hipersensibilidade e mudanças de humor, um apetite excessivo e hipersónia (excesso de sono), podendo ainda ocorrer ataques de pânico. Este tipo de depressão é ligeiro e pode ter uma natureza do espectro bipolar.

Perturbação Depressiva Sazonal

Este tipo de depressão diz-se semelhante à depressão atípica e ocorre sazonalmente durante alterações do clima, por exemplo no outono ou no inverno. Habitualmente, quando a estação que causa a fase depressiva termina, as pessoas recuperam o seu nível de funcionamento normal.

Perturbação Depressiva Breve Recorrente

Trata-se de uma forma ligeira e menor de depressão que pode comprometer o funcionamento normal da pessoa e afeta principalmente jovens, sendo caracterizada por períodos breves de humor deprimido ou misto (alternadamente humor deprimido e normal) que duram tipicamente menos de duas semanas, mas de elevada recorrência.